sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Fazendo o mesmo, pensando diferente

Segundo especialistas em mudanças climáticas, os clubes são um dos principais consumidores de energia do planeta. Pensando nisso, o dono do Bar Surya, em Londres, refez o chão da pista de dança de seu estabelecimento e o revestiu com placas que, ao serem pressionadas pelos frequentadores do lugar, produzem corrente elétrica. Essa energia é então usada para ajudar na carga elétrica necessária à casa. Andrew Charalambous, o visionário dono do bar, diz que a eletricidade produzida pela pista modificada representa 60% da necessidade energética do lugar.









Além da imensa inovação criada, todos  os clientes presentes que comprovarem ter ido a pé até lá , de bicicleta ou de transportes públicos recebem entrada gratuita.

Outra tendência é o design verde, na arquitetura moderna, como o prédio de cinco andares da Escola de Arte, Design e Comunicação da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura. A construção conta com uma cobertura vegetal e sua forma orgânica se mistura com a natureza onde está inserida. Os telhados revestidos de grama servem como ponto de encontro informal, além de ajudar no equilíbrio térmico do edifício e na absorção da água da chuva. 



E quem disse que uma impressora precisa de tinta ou papel para existir? Conheça a Impressora PrePean. Diferente das convencionais, ela utiliza uma peça térmica para fazer as impressões em folhas plásticas feitas especialmente para isso. Além de serem à prova d'água, elas podem ser facilmente apagadas. É só colocá-las novamente na impressora que, através de outra temperatura, a próxima impressão ficará no lugar da anterior. A mágica faz com que apenas uma dessas folhas possa ser utilizada mil vezes. 



Quando se trata de material de escritório, falar em sustentabilidade chega a ser desperdício: Grampos de grampeador são tão poluentes que uma empresa decidiu criar um novo modelo do produto, sem grampos! Em vez dos grampos a que todos estamos acostumados, ele recorta pequenas tiras de papel e as usa para costurar até cinco folhas de papel juntas. Se você se empolgou com a ideia, pode encomendar esses grampeadores personalizados para que sua empresa se vanglorie de contribuir para um mundo livre grampeadores com grampos. Você pode comprar no mercado livre!

 

domingo, 31 de julho de 2011

A vida é curta. Curta!

Uma carreira sustentável e de sucesso depende do equilíbrio profissional e pessoal. Desacelerar, portanto, é uma decisão que não só tende a proporcionar uma sensação psicológica de bem-estar como também pode contribuir para a preservação da própria saúde.

Os esforços por uma vida melhor e mais saudável poderão ser inúteis, se a cultura da velocidade não for revista. No pensamento moderno, o tempo é uma riqueza que está escasseando, como o petróleo ou a água. E a sensação de falta de tempo é uma doença crônica, sem remédio.

Não estamos falando em deixar de trabalhar ou apresentar menos resultados. Estamos falando em qualidade. A necessidade de divisão estratégica do tempo, para que nenhuma das prioridades sejam prejudicadas. Acredito que todos conhecem a matriz Urgente-Importante. O ideal seria estar sempre no loco 2, planejando para prever o que pode vir a ser urgente. Mas quantos conseguem de fato separar o que é importante do que é não importante?




A tecnologia tem nos impedido de viver cada momento intensamente. A necessidade de se informar a cada segundo e de ter total foco na carreira com a preocupação de entrega de resultados para ter sucesso, não é uma situação sustentável, já que prejudica familiares e amigos, corpo e saúde. Um comercial na Tailândia fala justamente da necessidade de desconectarmos para conseguirmos nos conectar.




Controlar o tempo, uma ambição humana tão antiga quanto os povos remotos, ganhou na Itália um novo significado. No país, começou uma experiência inovadora, considerada uma das saídas para a salvação do planeta: diminuir o ritmo, ir mais devagar, com calma. A ideia do movimento que está se espalhando pelo mundo, "cidades do bem viver", é promover mudanças de mentalidade e estilo de vida.

A alguns quilômetros da cidade de Greve In Chianti, a brasileira Jussara Perez, junto com o marido, se beneficiou das leis de incentivo para cultivar a terra. O casal abandonou a vida em Florença há 11 anos e investiu no agroturismo, um hotel-fazenda com produção agrícola. Tudo é orgânico e ecológico. Até a piscina tem sal no lugar do cloro. 

A lentidão é uma regra constante da família de Jussara. Comer com consciência do que você está comendo, viver o momento presente. Você está aqui, você curte, respira. Se você está bebendo, beba. Se você está comendo, coma. Se você está caminhando, caminhe. Você tem que ter consciência de cada coisa do que você esta fazendo. Isso é slow, porque é parar", diz a dona do hotel-fazenda.


Teste aqui se você precisa desacelerar o ritmo da vida!


Fontes: globo e vida trainee

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Sustentabilidade do tempo

Nós perdemos tempo, gastamos tempo e tentamos futilmente gerencia-lo melhor. "Tempo é dinheiro", declarou Benjamin Franklin, e muitos parecem realmente decididos a maximizar o valor do tempo, produzindo - e consumindo - mais e mais ao longo do tempo. Nossa experiência de tempo está bastante condicionado em quantas escolhas nós sentimos que temos ao longo do dia. Quando se pergunta sobre qual a parte mais difícil em viver sustentavelmente, muitos dizem que é não ter tempo suficiente. Conseguir descobrir o que está roubando seu tempo é essencial para você ter mais tempo para os outros à sua volta e para você. Melhora a sua qualidade de vida e a dos outros a sua volta (sua comunidade!). Ainda acha que gestão de tempo não tem a ver com sustentabilidade?


Algumas dicas para otimizar seu tempo para uma vida mais sustentável:

1. Abra mão da perfeição e foque em ser humano: Uma pessoa perfeccionista quer tudo do jeito que imaginou que ficaria. Quer tudo perfeito. E isso leva tempo. Leva muito tempo. E energia! Deixar as coisas da melhor forma possível pode ser suficiente muitas vezes. 

2. Encontre algo construtivo para aliviar o estresse: diminuir o ritmo é sempre muito produtivo. Quem sabe uma volta no quarteirão ou tirar aquela bicicleta da garagem? Ler aquele livro que ainda está na embalagem ou começar a praticar algum esporte são outras alternativas. Desenvolva atitudes mais saudáveis, evite fazer mais de uma atividade ao mesmo tempo, procure socializar! Estabeleça seu horário de descanso, a "hora do reabastecimento" (bater um papo, fazer um lanchinho, etc).

3. Mantenha um caderno de anotações para to-dos e ideias. É importante manter em mente o que você tem que fazer ao longo do dia. Escrever ideias que você tem ao longo do dia economiza o tempo que você irá perder tentando lembrá-las quando for necessário. Tenha certeza de que tudo está em um lugar só, porque não adianta você ter dez listas do que você precisa fazer e não sabe onde está. Cheque se tudo está sendo realizado. Dessa forma você sente a satisfação da realização e garante que não vai esquecer de fazer algo. Saiba onde estão suas coisas.

4. Delegar tarefas: depositar confiança em pessoa(s) que você acha ser(em) capaz(es) de realizar alguns detalhes do dia é importante. Ensinar o irmão mais novo a tirar a mesa, a arrumar o quarto. Ensinar o membro da sua equipe a preencher a base de dados, a utilizar determinado programa. O tempo que é gasto ensinando essas pessoas agora será economizado no futuro, porque você não terá que fazer tudo sozinho(a).

5. Priorize e esteja bem se não fizer tudo: às vezes você está fazendo uma atividade e lhe pedem ajuda em alguma outra coisa, ou um amigo precisa conversar. É necessário saber quando dizer não. Aprenda também a encerrar uma conversa. O telefone é um grande inimigo do tempo. Reduza as interrupções. É uma balança difícil, e demora a aprender. Mas o mais importante é visualizar seus objetivos de longo prazo, e ter certeza que está-se priorizando as atividades que vão lhe levar até lá.

6. "Calendarize": descubra a parte do dia que você tem maior rendimento e aproveite para focar nas atividades que exigem maior energia. Mantenha sua agenda em dia, dessa forma fica mais difícil esquecer compromissos e aniversários. Aprenda a ter controle das suas atividades, avalie quais das suas atividades diárias você não tem controle e tente aumentar esse poder ao máximo.

7. Aproveite o tempo de deslocamento e viagens. Leve consigo relatórios que precisam ser lidos, formulários à preencher, e assim por diante. Tenha cuidado ao fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Não se atrase! Lógico que com o trânsito de Recife, eu sempre levo um livro para todos os locais nos quais sei que terei de esperar. Mas o atraso é considerado por muitos um descaso com o horário do outro, sem desculpas. Faça as coisas dentro dos prazos, principalmente se a tarefa parece desagradável, resolva-a logo no começo do dia, não perca tempo se preocupando com ela. Se for necessário, divida-a em tarefas menores e elabore um fluxograma para entendê-la melhor. Quando se lida com outras pessoas, o ideal é definir prazos claros. O auto-conhecimento é essencial para você cumprir com as responsabilidades, faz com que você analise todos os seus compromissos antes de assumir um novo.

8. Leia menos, porém melhor. Sublinhe as palavras ou frases fundamentais a entender o contexto. Faça anotações. Leia os artigos que lhe interessam de verdade, procure ler resumos do que não for muito importante, bloqueie informações irrelevantes, faça a triagem do material que recebe. Muito tempo é gasto abrindo-se todos os e-mails da caixa de entrada. Saiba jogar fora todo o lixo (eletrônico ou não) antes de começar a trabalhar. Para alguns, não se dê nem ao trabalho de abrir. 

9. Use o bom senso, evite procrastinar. Muitas pessoas se queixam: 

- Ah, eu não trabalhei esse fim-de-semana e tenho que entregar a planilha na segunda-feira, estou me sentindo culpado

Deixar tudo para depois e não priorizar o que é mais importante é o principal erro das pessoas que agem assim. Ficar mais alguns minutos no facebook ou no twitter é o perigo mais comum. Estabeleça um tempo provável que você se dedicará às atividades e procure respeitar esse tempo. Um despertador geralmente funciona para os mais dispersos. Procure conhecer seus vícios e avaliar como livrar-se deles. Faça sempre uma auto-avaliação do que pode ser melhorado, onde você perdeu mais tempo durante a semana, era necessário perder esse tempo? Tenha sempre em mente a relação custo-benefício.

"Cada um de nós tem o mesmo número de segundos para usar da forma que achar melhor, mas nem todos os usam em seu benefício e nem todos investem neles com sabedoria"

Você tem gerenciado seu tempo? Ou ele tem gerenciado você?

Fonte: Como administrar seu tempo - Marc Mancini (Você s/a, Coleção Densenvolvimento Profissional)

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Agricultura familiar, um futuro sustentável no semiárido brasileiro

Reservatório que armazena água das chuvas e pode
abastecer 10 famílias agricultoras

Em Julho é comemorada a semana da Agricultura. Agricultura e sustentabilidade estão diretamente ligadas através do meio ambiente. Sobre o assunto escreveu Méle Dornelas, Publicitária da Comunidade Diocesana de Pesqueira e membro do núcleo de comunicação da ASA Pernambuco. 

A agricultura familiar aparece para a economia do país como importante atuante na geração de alimentos e, consequentemente, do crescimento do mercado financeiro nacional, respondendo ainda por 30% da produção mundial. Cerca de 70% dos alimentos que abastecem o mercado interno vêm da agricultura familiar que emprega 77% dos 17 milhões de brasileiros que vivem no campo, o que garante a sustentabilidade do setor e alavanca a qualidade de vida de famílias agricultoras. 

O histórico da agricultura brasileira obedece a dois modelos distintos. Por um lado, a agricultura familiar e camponesa que privilegia a qualidade de vida, a soberania alimentar, a geração de emprego e a produção familiar. Por outro, o agronegócio, baseado na monocultura, na concentração de terra, no uso intensivo de agrotóxico e de sementes geneticamente modificadas, causando uma destruição ambiental. A agricultura familiar contribui para uma relação cultural e social entre o produtor, a terra e seus frutos. Já o agronegócio substitui o trabalho humano por máquinas, volta sua produção para o mercado externo e ainda concentra a maior parte das terras agricultáveis. 

No Brasil, muitas cidades dependem dessa atividade, mas desafios se colocam no caminho do trabalhador rural. Para que o crescimento da agricultura ocorra, faz-se necessário o uso de tecnologias apropriadas no desempenho das tarefas agrárias e a adoção de condições político-institucionais, como o acesso a créditos, informações organizadas, canais de comercialização, transporte, energia e tantos outros. Outro ponto que emerge como fundamental para o desenvolvimento desse setor vem da mobilização dos agricultores através de organizações. Associações, sindicatos e cooperativas são bons exemplos e se posicionam não somente como agentes de desenvolvimento da agricultura, mas contribuem com uma sociedade mais justa, na medida em que buscam soluções e capacitações conjuntas para seus integrantes e para o mercado onde atuam.

O destempero climático que várias regiões de atuação agrícola familiar estão submetidas também merece atenção. Cerca de 50% dos estabelecimentos rurais encontram-se no Nordeste, principalmente no semiárido. Mas, muitos são os agricultores que aprendem, e bem, a convivência com esse tipo de clima. Por deter uma terra de pouca umidade e chuvas irregulares, a agricultura nessas regiões exige não só uma dose maior de criatividade e ousadia, mas, sobretudo, uma visão mais ampla a partir do desenvolvimento de ações que garantem a sustentabilidade e o equilíbrio das propriedades rurais.

Através da valorização de tecnologias simples e sustentáveis, desenvolvidas para a adaptação da agricultura nesse tipo de clima, o homem rural pode trabalhar o ano todo com a água e utilizá-la também para o uso doméstico. Cisternas, tanques de pedra, biodigestores, barragens subterrâneas, bombas populares e outras tecnologias são fortes agentes de transformação sustentável e de avanços no campo da agricultura familiar.


Biodigestor - Tecnologia que utiliza o estrumo de vacas e bois para a produção do biogás

A Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA Brasil) contribui com a criação e o fortalecimento de políticas públicas voltadas para a região semiárida, verificando as necessidades e as potencialidades das populações locais, e firmando um compromisso com os agricultores familiares.


O desenvolvimento sustentável da agricultura familiar gera a renda das famílias rurais, movimentando o mercado através da comercialização de sua produção. Essa etapa econômica se desdobra para um mercado maior, o nacional e até mesmo o internacional, solidificando a estrutura econômica do país.


“Pensar em agricultura sustentável é pensar em formas de produção que garantam as condições indispensáveis á preservação da vida, por isso nós da ASA trabalhamos com base na agroecologia como um sistema de produção que procura imitar os processos como ocorrem na natureza, evitando romper o equilíbrio ecológico que dá a estabilidade aos ecossistemas naturais“ - Neilda Pereira.

Canteiro Econômico - A Cisterna (ao fundo) armazena a água das chuvas e pode irrigar a plantação por todo o ano, evitando desperdícios e possibilitando uma agricultura sustentável


O texto na íntegra você pode visualizar no blog dos Cáritas Diocesana: http://solidariedadepelavida.blogspot.com/p/agricultura-familiar.html


Colaboradora:
Méle Dornelas, alumnus da AIESEC Recife.

sábado, 16 de julho de 2011

A Importância do Voluntariado - Parte II

No post anterior, tivemos um depoimento acerca do trabalho voluntário. Foi comentado como esse trabalho é gratificante do ponto de vista da cidadania e também pontuado que o mercado de trabalho tem dado cada vez mais valor a essa experiência. Mas será que as empresas se preocupam tanto pelo caráter filantrópico da causa?

É inegável que a forma como as empresas financiam programas sociais e ambientais vem mudando consideravelmente ao longo dos anos, diminuindo cada vez mais o espaço para a simples filantropia. Não que as empresas não queiram mais investir em comunidades ou mitigação de impactos, por exemplo; elas agora querem que os projetos estejam alinhados aos seus processos de negócio.

No entanto, na contramão dessa tendência, vemos um forte movimento dentro das empresas que estimula a prática do voluntariado corporativo. Se pensarmos no conceito clássico do que é ser voluntário (segundo a ONU “é o jovem ou adulto que dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividade, organizadas ou não, de bem estar social, ou outros campos”), vemos um conflito entre o voluntariado corporativo e a movimentação das empresas para transformarem suas ações sociais e ambientais em atividades estratégicas.

A grande questão que envolve esse dilema é se não traria mais resultados tanto para as empresas quanto para as instituições beneficiadas caso fossem aplicados conceitos de sustentabilidade nas ações de voluntariado. O tema é polêmico, mas se hoje o investimento social das organizações é estratégico, qual o sentido de, ao se realizar ações de voluntariado corporativo, mobilizar recursos financeiros e humanos para algo meramente filantrópico? Como transformar essa filantropia em sustentabilidade?

Para isso ser possível, é preciso planejar as ações ainda na fase de elaboração do evento (dia do voluntariado, semana do voluntariado etc). Os responsáveis pelo comitê de voluntariado (geralmente pessoas da área de sustentabilidade, de comunicação ou de RH) devem identificar dentro das instituições beneficiadas as necessidades referentes não apenas a doações, mas também necessidades estratégicas.

Por exemplo: uma ONG está com problemas de captação, mas não tem alguém com conhecimento de marketing direto para realizar as ações. Ou então a crise fez com que a demanda por atendimento de outra ONG aumentasse substancialmente de forma que a qualidade desses atendimentos tenha caído. Como voluntários corporativos podem ajudar nesses casos?
O voluntariado sustentável pode acontecer de diversas maneiras, alguns exemplos são: o colaborador doa seu conhecimento para executar projetos ou ações em determinada área. Ou ele capacita funcionários ou outros voluntários para atuarem numa área. Dependendo do tempo e da equipe voluntária, pode-se, até, reestruturar uma área. Há, inclusive, a possibilidade de colaboradores atuarem em outros processos para ganhar experiência.
Depois de identificadas as necessidades das instituições beneficiadas, cabe ao comitê replicar as informações aos funcionários da empresa e buscar interessados em formar grupos de ação. A forma como isso acontece depende de como as empresas organizam seu voluntariado, da disponibilidade dos recursos humanos das empresas e varia de acordo com a estrutura e necessidade das instituições sociais.
É claro que ONGs, asilos, creches têm necessidades urgentes que não podem esperar. E é claro também que a filantropia não pode acabar. Essas necessidades devem ser respeitadas. Mas junto das ações imediatas, as empresas podem pensar com carinho na implementação do conceito de voluntariado sustentável, afinal, não é mais efetiva e de maior alcance uma ação que beneficie uma instituição continuamente?

Fonte:

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A Importância do Voluntariado - Parte I

É prática comum da equipe deste blog convidar algumas pessoas para escrever para este espaço, seja abordando um tema alinhado com nossa proposta ou compartilhando alguma experiência pessoal marcante.

Para a primeira postagem desta semana, decidimos abordar o tema Voluntariado, cuja prática tem sido cada vez mais valorizada pelo mercado e que mantém uma ligação subjetiva com o tema Sustentabilidade, que dá norte a este blog. Divulgamos o depoimento de Thiago Fernandes, recifense que está há 3 anos trabalhando no Canadá. Ele foi participar de um intercâmbio promovido pelo governo canadense e está naquele país até hoje.

Acompanhem!


Eu só entendi a importância e a beleza do trabalho voluntariado após morar fora do Brasil. Trabalho voluntariado não quer dizer trabalho sem retorno. Talvez não um retorno financeiro, mas no mundo em que vivemos hoje, há outras formas de reconhecimento, felicidade e paz interior que dinheiro não pode comprar.
Primeiro, é importante lembrar da necessidade de voluntariado para a sociedade. Há várias pessoas na nossa comunidade que precisam de ajuda. E muitas vezes essa ajuda não é financeira, mas sim de uma palavra de conforto, alguém para conversar, ou uma força em um projeto que tenta criar um mundo melhor. 
Como eu sou apaixonado com crianças, um dos projetos que chamou minha atenção aqui no Canadá foi o Big Brother. E vale salientar que isso não tem nada a ver com o programa de TV. O projeto combina um adulto com uma criança que está passando por problemas ou não tem uma família que pode dar o suporte social que ela precisa. O que você precisa fazer? Passear ou visitar essa criança uma vez por semana. 
O projeto que eu participei é chamado Live, Work & Play, e ajuda crianças com problemas mentais a interagir com a socidade. Toda sexta-feira das 19h às 20h, vamos fazer uma atividade social que eles escolhem, como boliche, uma peça de teatro ou algum esporte. Ver essas crianças crescerem e virarem independente quando o mundo inteiro diz que eles nunca poderiam é uma recompensa que dinheiro nenhum poderia comprar. 
Mas por que voluntariar? Essa é uma maneira de você doar para a comunidade, de melhorar o espaço em que vivemos. Sozinho, governo nenhum pode transformar uma sociedade, mas quando cada um de nós contribue um pouco que seja, começamos a criar mudanças verdade. Fazer trabalho voluntário é uma maneira de você lembrar todos os dias, o quão privilegiado você é e o quão bem te fará fazer o bem. Por mais cliché que isso seja, eu aconselho cada um a fazer trabalho voluntário, tenho certeza que você vai tirar uma lição de vida seja qual for o trabalho voluntariado que você se envolva. Procure algo que te motive: meio ambiente, direitos dos animais, crianças, idosos, pobres, pessoas com problemas de saúde, marginalizados na sociedade, mulheres que sofreram violência sexual, etc. Essa é a sua chance de mudar o mundo.




Colaborador
Thiago Fernandes

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Empresário cearense desenvolve o primeiro poste de iluminação pública 100% alimentado por energia eólica e solar


Não tem mais volta. As tecnologias limpas – aquelas que não queimam combustível fóssil – serão o futuro do planeta quando o assunto for geração de energia elétrica. E, nessa onda, a produção eólica e solar sai na frente, representando importantes fatias na matriz energética de vários países europeus, como Espanha, Alemanha e Portugal, além dos Estados Unidos. Também está na dianteira quem conseguiu vislumbrar essa realidade, quando havia apenas teorias, e preparou-se para produzir energia sem agredir o meio ambiente. No Ceará, um dos locais no mundo com maior potencial energético (limpo), um ‘cabeça chata’ pretende mostrar que o estado, além de abençoado pela natureza, é capaz de desenvolver tecnologia de ponta.

O professor Pardal cearense é o engenheiro mecânico Fernandes Ximenes, proprietário da Gram-Eollic, empresa que lançou no mercado o primeiro poste de iluminação pública 100% alimentado por energias eólica e solar. Com modelos de 12 e 18 metros de altura (feitos em aço), o que mais chama a atenção no invento, tecnicamente denominado de Produtor Independente de Energia (PIE), é a presença de um avião no topo do poste.



Feito em fibra de carbono e alumínio especial – mesmo material usado em aeronaves comerciais –, a peça tem três metros de comprimento e, na realidade, é a peça-chave do poste híbrido. Ximenes diz que o formato de avião não foi escolhido por acaso. A escolha se deve à sua aerodinâmica, que facilita a captura de raios solares e de vento. “Além disso, em forma de avião, o poste fica mais seguro. São duas fontes de energia alimentando-se ao mesmo tempo, podendo ser instalado em qualquer região e localidade do Brasil e do mundo”, esclarece.

Cada poste é capaz de abastecer outros três ao mesmo o tempo. Ou seja, um poste com um “avião” – na verdade um gerador – é capaz de produzir energia para outros dois sem gerador e com seis lâmpadas LEDs (mais eficientes e mais ecológicas, uma vez que não utilizam mercúrio, como as fluorescentes compactas) de 50.000 horas de vida útil dia e noite (cerca de 50 vezes mais que as lâmpadas em operação atualmente; quanto à luminosidade, as LEDs são oito vezes mais potentes que as convencionais). A captação (da luz e do vento) pelo avião é feita em um eixo com giro de 360 graus, de acordo com a direção do vento.


Ximenes brinca dizendo que sua tecnologia é mais resistente que o homem: “As baterias do poste híbrido têm autonomia para 70 horas, ou seja, se faltarem vento e sol 70 horas, ou sete noites seguidas, as lâmpadas continuarão ligadas, enquanto a humanidade seria extinta porque não se consegue viver sete dias sem a luz solar”.

O inventor explica que a ideia nasceu em 2001, durante o apagão. Naquela época, suas pesquisas mostraram que era possível oferecer alternativas ao caos energético. Ele conta que a caminhada foi difícil, em função da falta de incentivo – o trabalho foi desenvolvido com recursos próprios. Além disso, teve que superar o pessimismo de quem não acreditava que fosse possível desenvolver o invento. “Algumas pessoas acham que só copiamos e adaptamos descobertas de outros. Nossa tecnologia, no entanto, prova que esse pensamento está errado. Somos, sim, capazes de planejar, executar e levar ao mercado um produto feito 100% no Ceará. Precisamos, na verdade, é de pessoas que acreditem em nosso potencial”, diz.

Reportagem na íntegra: http://www.funverde.org.br

terça-feira, 5 de julho de 2011

Energia Sustentável

Às vezes, as pessoas confundem o termo “energia” com geração de “eletricidade”. Eletricidade é apenas um tipo de energia. Nas ultimas décadas, a eletrificação das comunidades rurais tem sido vista ocasionalmente como a resposta para as suas necessidades de energia. Entretanto, devido ao desenvolvimento tecnológico, agora há outros sistemas de energia que podem ser implementados mais rapidamente e oferecem às comunidades aquecimento, iluminação e combustível para as máquinas.
O acidente nuclear provocado pelo terremoto no Japão e a guerra civil na Líbia devem acelerar o movimento de expansão da energia renovável no mundo, de acordo com especialistas ouvidos pela Agência Estado. A necessidade de melhoria nas condições de segurança das usinas nucleares irá elevar os custos e tornar a energia nuclear muito cara, possibilitando que novas fontes renováveis sejam utilizadas.Enquanto a energia eólica não é uniforme e a solar é mais cara, a biomassa pode ser considerada se houver um suprimento regular garantido", afirma especialista.
A escolha de outras opções de energia deve estar baseada num levantamento comunitário dos seus usos, necessidades e oportunidades de energia. Há três questões fundamentais a serem consideradas em relação ao uso de energia para que ela seja sustentável:

Abastecimento – em alguns lugares, as pessoas não têm acesso à energia de que precisam. Elas devem decidir se a energia gerada a partir de combustíveis fósseis ou de recursos renováveis é melhor para o futuro da sua comunidade.

Eficiência – às vezes, as pessoas não usam sua energia da forma mais eficiente possível, o que causa pressão no abastecimento de energia. Isto geralmente exige a conscientização dentro da comunidade sobre a necessidade de se utilizar a energia de forma eficiente. Os membros da comunidade poderiam ser incentivados a usar ou projetar equipamentos que os ajudem a utilizar a energia de forma mais eficiente.

Conservação – alguns de nós estamos tão acostumados a ter energia sempre que precisamos,que a desperdiçamos. Em alguns lugares, as pessoas que têm eletricidade, um veículo ou ar condicionado podem deixá-los funcionando mesmo quando eles não são necessários. Mesmo que a energia seja gerada de forma “limpa”, esta questão precisa ser trabalhada. A necessidade de conservar energia é uma questão importante nos países do Hemisfério Norte, onde a maior parte da energia é usada. Os países do Hemisfério Sul devem estar cientes desta questão ao satisfazerem sua crescente demanda de energia.

         O Brasil entrou no ranking dos 15 países mais atraentes para investimentos sustentáveis, feito pela Ernst & Young. Isso mostra que nós estamos mudando, apesar de toda dificuldade. O Brasil está caminhando para um futuro diferente e nós podemos ver isso.

Tipos de energias limpas no BrasilÍndice
Todas as energias renováveis48
Energia eólica50
Energia Solar42
Biomassa50
Geotérmica22
Infraestrutura47


Fontes: Agencia Estadão
Sustentabilidade Ambiental

sexta-feira, 1 de julho de 2011

A História das Garrafas de Água






Aqui no Brasil, a história é muito diferente. Mas vale a pena parar para pensar
Eu utilizo garrafas retornáveis o máximo possível. E você?
Senso crítico nunca é demais quando o assunto é sustentabilidade.

terça-feira, 28 de junho de 2011

O que fazemos com a Água?



Temos apenas 1% de água, distribuída desigualmente pela Terra para atender a população mundial! E esse pouco de água que nos resta está ameaçado pois somente agora estamos nos dando conta dos riscos que representam os esgotos, o lixo, os resíduos de agrotóxicos e industriais. Cada um de nós tem uma parcela de responsabilidade nesse conjunto de coisas.  Sabemos que não dá para viver sem água, então, a saída é fazer um uso racional deste precioso recurso natural. A água deve ser usada com muita responsabilidade.

Como economizar água
      Não demore muito tempo no chuveiro. Em média, um banho consome 70 litros de água em apenas 5 minutos, ou seja, 25.550 litros por ano. Preste atenção ao consumo mensal da conta de água. Você poderá descobrir vazamentos que significam enorme desperdício de água. Faça um teste; feche todas as torneiras e os registros de casa e verifique se o hidrômetro - aparelho que mede o consumo de água - sofre alguma alteração. Se alterar, o vazamento está comprovado. Você pode economizar 16.425 litros de água por ano ao escovar os dentes, basta molhar a escova e depois fechar a torneira. Volte a abri-la somente para enxaguar a boca e a escova. Prefira lavar o carro com balde em lugar da mangueira. O esguicho aberto gasta aproximadamente 600 litros de água. Se você usar balde, o consumo cairá para 60 litros.


          A água potável, ou mesmo água doce disponível na natureza, é bastante restrita, cerca de 97,61% da água total do planeta é proveniente das águas dos oceanos; calotas polares e geleiras representam 2,08%, água subterrânea 0,29%, água doce de lagos 0,009%, água salgada de lagos 0,008%, água misturada no solo 0,005%, rios 0,00009% e vapor d’água na atmosfera 0,0009%.

         Nessa perspectiva, a ONU (Organização das Nações Unidas) divulgou uma nota com uma previsão de que até 2050, aproximadamente 45% da população não terá a quantidade mínima de água. No mundo subdesenvolvido, cerca de 50% da população consome água poluída; em todo planeta pelo menos 2,2 milhões de pessoas morrem em decorrência de água contaminada e sem tratamento. Segundo estimativas, existem atualmente cerca de 1,1 bilhão de pessoas que praticamente não tem acesso à água potável, bem comum a todo ser humano.



E você, o que faz para economizar água?


quinta-feira, 23 de junho de 2011

Voluntariado. Pequenas ações valem mais que mil palavras



"Voluntários em todo o mundo têm vivido no anonimato, e pouco se sabe a respeito do impacto que suas atuações têm causado neles mesmos e na sociedade como um todo. Muitas pessoas ainda alegam falta de tempo e dificuldades de deslocamento, porém o avanço tecnológico também vem tornando possível a colaboração on-line de voluntários em diversas organizações. O serviço voluntário deixa de ser considerado uma alternativa somente para aqueles que desejam ocupar seu tempo ou para aqueles que procuram se dedicar à caridade.

Por meio do serviço voluntário, é possível consolidar a cidadania e contribuir para mudanças promovidas pela participação social. Lembrando que a cidadania não é apenas a exigência de direitos, mas cobrança de uma melhoria nas condições de vida e no ato de assumir deveres e papéis bastante definidos e comprometidos com o bem-estar social.

A exemplo disso, temos o Recife Voluntário, que tem como missão o estabelecimento de estratégias locais, como sensibilizações e mobilizações para o serviço voluntário, motivando o engajamento comunitário e empresarial em ações que visem contribuir com o exercício de uma cidadania consciente, solidária e comprometida com as causas sociais na Região Metropolitana do Recife."

Temos também O Movimento Pró-Criança (saiba mais) que tem como missão promover a melhoria da qualidade de vida e a conquista da cidadania de crianças, adolescentes e jovens em situação de risco ou abandono, na Região Metropolitana do Recife.


Esse resgate acontece através de um trabalho interdisciplinar composto por atividades que integram família e comunidade na busca da inclusão social. As atividades são desenvolvidas em quatro segmentos que envolvem artes, apoio pedagógico, esporte e profissionalização.

E para mostrar esse avanço tecnológico no voluntariado apresentamos o projeto Doe Palavras que leva mensagens de apoio, esperança e força, mudando o dia-a-dia de mais de mil pacientes que fazem tratamentos de câncer no Hospital Mário Penna, em Belo horizonte (MG). A idéia é simples: qualquer pessoa pode enviar uma mensagem positiva através do site ou do twitter do projeto. Não é preciso mandar para um paciente específico. Depois, essas mensagens são selecionadas e exibidas em TVs dentro do hospital, em locais onde os pacientes mais precisam de força, como na sala de quimioterapia ou antes das cirurgias.

“O afeto é terapêutico para o câncer. Muitas vezes o que nossos pacientes mais precisam é escutar as palavras certas. Com o projeto queremos gerar um grande fluxo de mensagens do bem e levar toda essa força para dentro do hospital”, afirmam os organizadores do projeto.

Que tal doar palavras também? 
É simples, não custa nada e vai fazer um bem danado para quem precisa. (Participe!)


Fontes: http://365diasqueacalmaramomundo.zip.net/
- Voluntariado. Impacto na construção de uma sociedade melhor - projeto de conclusão realizado por Tatiana da Silva Lucas Tavares de Lima.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Doutores da rua - Ações que podem mudar a vida do próximo

O mendigo que bate na janela do carro e pede esmola pode sofrer da mesma pressão alta do motorista que fecha o vidro.

A hipertensão que prejudica ambos, no entanto, tem formas diferentes de ser vista. No morador de rua, ela é invisível, apesar de ser duas vezes mais incidente do que na população geral.

Para mudar isso e ajudar moradores de rua a ter mais saúde e qualidade de vida, Marivaldo, José Hilmar, José Carlos e Manoel dedicam um pouco do seu tempo andando pelas ruas de São Paulo para cuidar desses pacientes.



Na verdade, nenhum deles é médico. Eles se transformaram em doutores da rua porque também já dormiram ao relento, passaram frio e sabem que tudo fica em segundo plano, inclusive a saúde, quando não se tem casa para morar.

Todos viveram a experiência de viver nas ruas e hoje trabalham para ajudar sem-tetos a cuidar da saúde e prevenir doenças.

O trabalho consiste em andar pelas ruas e simplesmente conversar com os moradores de rua. Escutar suas histórias e problemas. Depois, eles fazem uma ficha médica e os convencem a ir ao posto médico ou ao hospital. Muitos sem-tetos passam pela primeira consulta de suas vidas.

É uma forma de ajudar a reinserir essas pessoas na sociedade. As pessoas não olham para os moradores de rua. Eu também não reparava neles até me tornar um. Eles também precisam cuidar da saúde, mas tem vergonha ou medo de procurar os hospitais. Sem casa, eles não têm com quem conversar, não sabem como pedir ajuda. Cuidar da saúde é um primeiro passo para ajudá-los a reconstruir a vida”, afirma um dos agentes de saúde, que depois que conseguiu sair das ruas, voltou a estudar e hoje faz faculdade de Assistência Social.

Algumas pessoas dedicam o pouco que sabem para fazer do mundo um lugar melhor. 

O que você faz?

Fonte: 365diasqueacalmaramomundo.zip.net

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Você quer mudar o mundo? Pare de falar e comece a agir.

Sei que todo tipo de consideração prática torna este conselho difícil de ser seguido. Podem existir empréstimos a serem pagos, a necessidade de pedir a opinião de amigos e da família e também o desejo de elaborar um sério plano de trabalho. Não estou dizendo que não deva fazer essas coisas – só que não deve perder muito tempo com elas, ou perderá o momento. 

O risco é maior porque muita gente vai tentar convencê-lo a desistir de seu sonho, argumentando que isto ou aquilo pode não dar certo. Poucos são capazes de torcer por você dizendo: “Pode contar comigo”. Quanto mais tempo você gasta olhando para o umbigo, mais tempo dá para que essas forças gravitacionais negativas o mantenham aprisionado.

Como exemplo, eu citaria nosso trabalho no Sri Lanka. Convoquei a junta de diretores para uma reunião de emergência ao telefone. Estávamos todos unidos no desejo de ajudar as vítimas do tsunami, mas ainda com medo de mergulhar em algo tão novo. Depois de argumentar a favor de iniciar as operações da Room to Read no Sri Lanka, houve um coro tentando me convencer de que não poderíamos fazer isso: 

“Não temos nenhuma equipe lá”
“A Room to Read não está autorizada a trabalhar no Sri Lanka”
“Já estamos ocupados demais com os nosso cinco países”
 


E depois da argumentação de que “se quiséssemos tomar esta decisão, teríamos que fazer um estudo de três meses da situação para então decidir”, a cartada final de um dos voluntários fez com que eu aplaudisse silenciosamente: 

“Jenny, com todo o devido respeito, se em 1998 John tivesse decidido fazer um estudo de três meses da situação do Nepal, provavelmente jamais teria fundado a Room to Read. O estudo revelaria tantos e tão terríveis obstáculos que ele teria ficado pessimista e nenhuma das grandes realizações dos últimos seis anos teria acontecido. Acho que devemos ir em frente, conscientes, é claro, de que encontraremos obstáculos, mas confiando que nossa equipe saberá superá-los.”

Se você quer fazer alguma coisa pra transformar o mundo num lugar melhor, não se concentre nos obstáculos. Não peça autorização. Mergulhe de cabeça

          

             O texto que você leu foi escrito por John Wood, fundador do Room to Read e autor do livro  "Sai da Microsoft para mudar o mundo”. Aos 35 anos de idade, John decidiu abandonar sua carreira para trabalhar exclusivamente com o Room to Read, ajudando crianças ao redor do mundo. Mesmo com todas as dificuldades, ele insistiu nesse sonho e hoje John tem seu trabalho reconhecido. Pessoas como ele fazem a diferença, é só querer.
Pare de falar e tome uma atitude! O primeiro passo é sempre mais complicado, mas fica tudo mais fácil depois!

 Quer saber mais? acesse o link! http://www.roomtoread.org/

Fonte: Sai da Microsoft para Mudar o Mundo - John Wood

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Por que você é voluntário?



Muitas pessoas simplesmente não param para pensar sobre a motivação que os levaram a engajar-se em um trabalho voluntário. No geral, percebe-se que a doação de tempo e esforço é uma resposta a uma inquietação interior que é levada à prática e uma tomada de consciência dos problemas ao se enfrentar a realidade, o que leva o indivíduo a lutar por um ideal ou comprometer-se com uma causa.

Do ponto de vista religioso acredita-se que a prática do bem salva a alma; numa perspectiva social e política, pressupõe-se que a prática de tais valores zelará pela manutenção da ordem social e pelo progresso do homem. Não se deve esquecer, contudo, o potencial transformador que essas atitudes representam para o crescimento interior do próprio indivíduo.

Qualquer um pode ser voluntário, basta boa vontade e responsabilidade! Pintar uma entidade, cadastrar doadores no computador, consertar computadores, ajudar na organização de um evento. Não importa o que você vai fazer, importa que faça de coração. Além disso, não é porque você está ajudando os outros que você será paparicado ou que seu trabalho não possa ser criticado.

O trabalho voluntário exige o mesmo grau de profissionalismo que em uma empresa, se não maior. Existem regras a seguir, por mais meritória a causa, e não desanime se nem todos vibrarem e baterem palmas pelo seu trabalho.

Se identifique com o que você faz, contribua com o que você pode...

Em Lisboa (Portugal) um grupo de universitários está transformando o dia-a-dia de idosos! Os voluntários se transformam em netos de idosos que vivem sozinhos ou não têm muito auxílio da família. Uma vez por semana, eles dedicam um pouco do seu tempo para fazer companhia aos idosos. O pouco de atenção que esses jovens dedicam, é muito para idosos que muitas vezes nem saem mais de casa. Ajuda no combate à depressão e os jovens se sentem como se realmente tivessem adotado um amigo. “O que doamos é afeto”, afirma Paula Brito fundadora do projeto Adote um Amigo.

Se você tem algo para falar, eles estão lá para escutar. Este é o perfil dos voluntários que trabalham no Centro de Valorização da Vida (CVV), uma organização criada há 49 anos para prevenir o suicídio e dar apoio a quem precisa. Qualquer pessoa pode entrar em contato com a ONG, sem precisar se identificar, através do telefone (141), e-mail, chat online (www.cvv.org.br) ou pessoalmente. São 41 postos, cada um com cerca de 50 voluntários, em todos os estados do país. O serviço é 24h e gratuito. Os voluntários têm um simples trabalho: ouvir o outro. “O projeto nos ensina a importância de saber ouvir, com respeito e sem julgamento. Na maioria das vezes, a pessoa que liga para o 141 só quer ser ouvida e nós temos uma satisfação grande em escutar”, afirma um voluntário.

Você sabia que Angélica é voluntária da Movimento Pró-Criança?
Personalidades que são voluntários:
http://www.voluntarios.com.br/personalidades.htm

Quer ser voluntário e não sabe por onde começar?
Encontre uma entidade perto de você:
http://www.voluntarios.com.br/pesquisa.htm

Fonte: voluntarios.com.br / 365diasqueacalmaramomundo.zip.net